sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Again

Again





novamente


o desvario


de palavras


que rondam


minha cabeça


atordoam


repicam


atrapalham


como ruídos


em


altíssimos decibéis





novamente


no mesmo


horário


da manhã


a história insiste


em repetir-se


como


num tempo circular


que está


refém das dúvidas



Um comentário:

Leonardo B. disse...

[e em todo o tempo, tempo de recomeço dentro do poema, luz primeira de cada manhã, substituto de astro matinal]

um imenso abraço, Karen

Leonardo B.