quinta-feira, 14 de maio de 2009

Cozinha & letras


Eu gosto muito de cozinhar. Tem sido uma das minhas tarefas diárias por força das circunstâncias, mas não tem se tornado uma rotina cansativa, enfadonha. É tão instigante quanto escrever. Temperar um molho com a mesma intensidade que se tempera uma frase. Gosto de cozinhar com uma trilha sonora. Seja qual dia for. Seja um novo cd, seja a trilha que está no meu notebook, seja assobiando entre um afazer e outro pela cozinha afora. `As quintas, o cardápio é sempre especial. Este é o dia em que minha mãe vem almoçar em minha casa. Eu aprendi a arte da culinária com ela. Enquanto cozinhava no cotidiano, durante a minha infância, ela me levava no colo e eu acompanhava todos os seus movimentos e aprendia, inconscientemente, receitas. Lembro dos petisquinhos e dos privilégios em saborear as primeiras colheradas de uma comida justamente por estar ali com ela diariamente. Foi assim que apurei meus sabores. Tenho retomado esta convivência `as quintas. Fazemos juntas o almoço e aproveito para experimentar receitas sob sua supervisão. Minha mãe é uma mulher suave e delicada no preparo da comida. E com uma intuição para a mistura de sabores que é invejável. Hoje cozinhamos ao som de André Mehmari. Foi lindo.

foto by Fernanda Magalhães


2 comentários:

Paula disse...

Se você cozinhar tão bem quanto escreve, seus pratos devem ser divinos. Beijos!

GIOVANNI NOBILE disse...

Eu quero um 'rango' desses!!!